PT EN
» Amares » Onde ir

onde ir

  • Aldeia de Urjal

    A Aldeia de Urjal localiza-se nas encostas da serra de Santa Isabel e o monte da Abadia, na freguesia de Seramil. O núcleo histórico da aldeia, parcialmente recuperado para turismo de habitação, é composto por casa típicas minhotas e espigueiros. No perímetro da aldeia encontram-se os moinhos de água e nas proximidades da Serra de Santa Isabel passa um troço da Geira Romana, a via romana Bracara Augusta - Asturica Augusta

  • Casa da Tapada

    Construída no século XVI, na freguesia de Fiscal, constitui um exemplar da arquitetura civil residencial, maneirista e barroca. 

    A Casa da Tapada foi mandada construir pelo poeta Francisco Sá de Miranda e foi sua moradia nos últimos anos da sua vida. Na quinta da Casa da Tapada é produzido o Vinho Verde e o Espumante Casa da Tapada. 

    A Casa da Tapada faz parte de um complexo mais extenso, composto por dependências rurais e espigueiro, localizando-se numa zona rural isolada e envolvida por extensa vinha e mata.

  • Geira Romana

    A Via Nova que ligava Bracara Augusta a Asturica Augusta, actuais Braga – Astorga, era uma via romana com aproximadamente 318Km. 

    Esta ligação entre as duas capitais do Noroeste Peninsular facilitou, na época romana, o acesso às regiões montanhosas do Nordeste do território sob o domínio de Bracara, ao espaço ocidental sob controlo de Asturica.

    Em Amares, é possível percorrer parte desta via, recomendando-se o percurso entre o Lugar de Via-Cova, na freguesia de Paredes Secas, até Santa Cruz, na freguesia de Seramil, podendo o mesmo continuar pelo Concelho de Terras de Bouro.

  • Mosteiro de Santa Maria do Bouro

    O Mosteiro de Santa Maria de Bouro, fundado no século XII, constitui um exemplar da riqueza arquitectónica do concelho. O Mosteiro um edifício classificado como Imóvel de Interesse Público que pertenceu à Ordem de Cister e é caracterizado pela sua arquitectura religiosa, românica, maneirista, barroca, rococó, neoclássica e contemporânea. 

    Parte do mosteiro, o convento, foi alvo de reabilitação para uma Pousada de Portugal, às mãos do arquitecto Eduardo Souto Moura, vencedor do prémio Pritzker da Arquitectura em 2011. 

  • Mosteiro de Santo André de Rendufe

    O Mosteiro de Santo André de Rendufe foi fundado no século XII por monges beneditinos em Rendufe. O Mosteiro, onde se destaca a talha dourada, de estilo barroco nacional, está classificado como Imóvel de Interesse Público. 

    Parte do mosteiro, Quinta da Cerca, alberga uma importante produção de Vinho Verde. Encontra-se actualmente em curso, uma demanda de reabilitação do complexo.

  • Museu do Santuário da Nossa Senhora da Abadia

    O Museu do Santuário de Nossa Senhora da Abadia, instalado nos antigos “quartéis” do Santuário, identifica-se,fundamentalmente, pela arte sacra, estatuária, alfaias, documentação e manifestações religiosas. A etnografia, o folclore e o artesanato (cultura do linho), contribuem, também, para a sua identidade.

  • Ponte de Rodas

    Classificada como Monumento Nacional, pertence à arquitectura civil pública medieval. A ponte, localiza-se na freguesia de Caldelas, sobre o rio Homem, estabelecendo a ligação de Caldelas a Vila Verde.

  • Ponte do Porto

    Classificada como Monumento Nacional, pertence à arquitectura civil pública medieval. A ponte com provável construção do século XIV, localiza-se na freguesia de Prozelo, sobre o rio Cávado, estabelecendo a ligação de Amares à Póvoa de Lanhoso e a Braga. 

  • Produção Vinícola

    Amares localiza-se numa  das maiores zonas vinícolas de Portugal, a sub-região Cávado. Nesta sub-região, a produção do Vinho Verde apresenta profundas tradições, onde subsistem, peculiaridades curiosas, desde a própria cultura da vinha, com a “vinha de enforcado”, até às vindimas.



    No município de Amares, os Vinhos Verdes, especialmente brancos, são produzidos com a casta Loureiro e ostentam um intenso aroma floral, que os torna num harmonioso acompanhamento para os pratos de peixe, marisco, carnes brancas ou como um aperitivo.
 Por sua vez, os Vinhos Verdes Tintos são excepcionais no acompanhamento da cozinha regional como os afamados Pica no Chão ou Cozido à Portuguesa. 

  • Rio Cávado

    O rio Cávado nasce na Serra do Larouco, em Montalegre, a uma altitude de cerca de 1.520 metros. Desagua no oceano Atlântico, em Esposende, tendo percorrido cerca de 129Km. O Concelho de Amares localiza-se na margem direita deste rio, sendo as suas margens propícias a observação da natureza. Este rio é atravessado pela Ponte do Porto, na freguesia de Prozelo.

  • Rio Homem

    O Rio Homem, afluente na margem direita do Cávado, nasce na Serra do Gerês e tem cerca de 45Km de comprimento. O concelho de Amares localiza-se na margem esquerda deste rio, sendo as suas margens propícias ao lazer e a observação da natureza. Este rio é atravessado pela Ponte de Rodas, na freguesia de Caldelas.

  • Santuário de Nossa Senhora da Abadia

    Localizado num local aprazível, onde o contacto com o meio natural é privilegiado, o Santuário foi construído nos séculos XVII e XVIII, na freguesia de Bouro (Santa Maria). O santuário mariano pertence ao estilo arquitectónico barroco e rococó e é composto por capelas de via-sacra, igreja, cruzeiro, fontes e edifícios de apoio aos peregrinos.

    É um local de devoção e, ao mesmo tempo, um local tranquilo de rara beleza, onde os visitantes são convidados a permanecer e desfrutar de momentos de descanso. Em redor do Santuário de Nossa Senhora da Abadia, pode contemplar-se um ambiente paradisíaco, onde o sussurrar das águas e o chilrear das pequenas aves quebram o silêncio que tanto caracteriza este espaço. Caminhadas e percursos relaxantes são actividades bastante apelativas e que podem promover-se na sua área envolvente.

    De salientar, ainda, o Museu do Santuário de Nossa Senhora da Abadia, instalado nos antigos “quartéis” do Santuário. Identifica-se, fundamentalmente, pela arte sacra, estatuária, alfaias, documentação e manifestações religiosas, etc. A etnografia, o folclore e o artesanato (cultura do linho) contribuem, também, para a sua identidade.