PT EN

Grupo Teatro Infantil-SBN

2013

A princesa dos pés pretos

Seria um enorme prazer enumerar todas as obras de José Vaz, bem como dar largas ao nosso entusiasmo e apreço por cada uma delas mas, iria ser acto tão longo e tão intenso que se tornaria numa imensa maratona. Muito aquém do que merece e nos apetece dizer de José Vaz, filho de Avintes e orgulho de Vila Nova e Gaia enaltecemos, no seu percurso, aquilo que mais nos toca, o seu contributo para o teatro.

A Princesa dos Pés Pretos, uma peça infanto-juvenil extraída de “A Ilha Mágica” deste conhecido e muito querido autor, actor e encenador, apaixonou-nos pela sua pureza e simplicidade mas também pela sua mensagem que nos toca a todos os que, tendo vindo a este mundo e usufruído de tudo o que os nossos ascendentes nos deixaram, estamos conscientes de estarmos em vias de o não poder fazer aos nossos descendentes. O avanço desmedido da dita “modernização”, o exacerbado apetite pelo lucro, tendo como preço a degradação da Natureza e o próprio ser humano que, embora não pareça, também faz parte dela é, infelizmente, a nossa triste realidade. José Vaz, em “A Princesa dos Pés Pretos” aborda, transmite e alerta, de modo doce, bem ao jeito daqueles a quem devemos incutir tudo o que de melhor soubermos, para essa realidade. É nobre a sua atitude e é grande o nosso apreço que, como grupo de teatro, sempre temos presentes estes valores.

Anualmente exibimos uma nova peça, tendo sempre presentes os valores que achamos serem os certos para a sociedade, neste nosso contributo que, embora modesto, não deixa de ser árduo e muitas vezes ingrato.

Ao escolhermos “A Princesa dos Pés Pretos”, acolhemos e acarinhámos o propósito de José Vaz que partilhamos na íntegra. Assim, com os devidos agradecimentos ao autor, vimos a público com esta peça, interpretada bem ao jeito do GTISBN, transmitir alegria, cor, fantasia mas, neste contexto deixar as mensagens pertinentes do alerta para a poluição e sua consequência, tão nefasta para o ser humano. Os actos, conscientes ou inconscientes no nosso dia-a-dia, prejudiciais à natureza são, acto contínuo ou a posteriori, ref letidos em nós ou, o que nos dói mais, nos nossos filhos. Que exemplos, que herança, que cultura ambiental e que condições de sobrevivência lhes deixamos. Não acreditamos na condição egoísta do ser humano, mas sim na sua falta de sensibilização, daí a nossa teimosia, o nosso esforço, o nosso empenho.

José Vaz e “ A Princesa dos Pés Pretos”, com todo o mérito, nosso respeito e agradecimento, vem a cena pelo Grupo de Teatro Infantil GTISBN dar mais um valioso contributo no manter asteada a nossa bandeira.

Francisco Santos, Encenador, Ficha Técnica: Elenco, Príncipe Malmequer – Sofia Cardoso, Caçador de borboletas – Tiago Faria, Princesa dos Pés Pretos – Raquel Pimentel, Mocho Adivinho – David Alves, Cavaleiro Vento – Daniela Santos,, Dromedário I – Raquel Pimentel, Dromedário II – João Cardoso, Joaninha – Teresa Pinheiro, Ouriço-cacheiro – Sofia Matos, Cegonha Branca – Sofia Cardoso,, Rei Rouxinol – Tiago Faria, Rainha Rouxinol – Lia Silva Ruivo, Piranha Desdentada – David Alves, Bicho das Sete Cabeças – Fábio Silva, Borboleta Azul – Raquel Pimentel, Lagarta – Lia Silva Ruivo, Flor Cor-de-Rosa – Daniela Santos, Texto:  José Vaz, Encenação:  Francisco Santos, Assistente de encenação: David Alves, Direcção Musical: Carlos Adolfo, Figurinos, adereços e grafismo:  Susana Azenha, Cenografia e Fotografia: Pedro Gomes, Susana Azenha, Execução de guarda-roupa: Branca Elísio, Susana Azenha, Voz Off: Ana Alves, Caracterização: Maria José Oliveira, Operador de som: Artur Ruivo, Operador de luz: Francisco Santos, Relações Públicas: David Alves